Por onde começar?

Eu sumi, eu sei. Peço desculpas e confesso que senti saudades. As palavras continuam em mim, mas de alguma forma esqueceram o caminho até os meus dedos, têm medo do teclado e pavor de marcar uma página em branco.

A gente se dava tão bem. As palavras costumavam viver em mim e me acordar de madrugada implorando para ganhar vida. Hoje são mais baixas do que um sussurro. Ou elas não possuem mais força ou sou eu que perdi a coragem.

Dizer que eu continuo a mesma seria uma grande mentira. É lógico que alguma coisa em mim permaneceu do mesmo jeito. Infelizmente ainda sou a mesma garota que começa textos e deixa eles pela metade. Desaprendi a chegar ao fim. Talvez seja medo ou algum tipo de trauma. Só sei que esse punhado de frases parece um monte de porcaria que não merece vir a público.

Virei uma covarde ou uma desistente?