Por onde começar?

Eu sumi, eu sei. Peço desculpas e confesso que senti saudades. As palavras continuam em mim, mas de alguma forma esqueceram o caminho até os meus dedos, têm medo do teclado e pavor de marcar uma página em branco.

A gente se dava tão bem. As palavras costumavam viver em mim e me acordar de madrugada implorando para ganhar vida. Hoje são mais baixas do que um sussurro. Ou elas não possuem mais força ou sou eu que perdi a coragem.

Dizer que eu continuo a mesma seria uma grande mentira. É lógico que alguma coisa em mim permaneceu do mesmo jeito. Infelizmente ainda sou a mesma garota que começa textos e deixa eles pela metade. Desaprendi a chegar ao fim. Talvez seja medo ou algum tipo de trauma. Só sei que esse punhado de frases parece um monte de porcaria que não merece vir a público.

Virei uma covarde ou uma desistente? 

Sentimental

Eu falei sobre você outro dia. Passei perto da sua rua e a saudade me bateu com tanta força que quase caí da moto. A única coisa que me manteve grudada no banco foi o orgulho.

Fiquei pensando no cheiro de panetone que o seu apartamento tem no Natal, do seu quarto tão cheio de livros quanto o meu e no sofá mais confortável que eu sentei em toda a minha vida. Não pude deixar de lembrar das longas conversas que misturavam as histórias dos outros com as nossas. Eram livros, seriados, músicas e a gente. Falando sobre a vida que muitas vezes pareceu ficção de tão absurda que soava.

Depois eu pensei que agora eu não faço mais parte dos seus dias, não sei mais nada sobre as reviravoltas do seu enredo e tenho a ligeira impressão de que você me detesta. Doeu, mas logo em seguida eu me reconfortei achando que no dia seguinte essa nostalgia toda estaria enterrada no passado.

Te ver hoje foi surreal. Era um rosto conhecido habitado por um estranha. Alguém que me olhou como uma desconhecida e não pensou duas vezes antes de virar a cara. Tava ali a prova de que a vida segue, mas pra isso é necessário abandonar aquilo que não tem mais utilidade, na esperança de diminuir o peso da bagagem. Tipo eu.

Eu respirei fundo pra manter o reflexo da sua indiferença no meu rosto. Com sorte, em pouco tempo esqueço de tudo isso e volto a fingir que nunca fizemos parte uma da vida da outra. Contudo, hoje voltou a doer. Não consegui me lembrar quando foi que a gente chegou a conclusão de que a nossa amizade não era grande coisa. Só pensei em bobagens que não justificavam esse abismo entre nós.

Quando a saudade me bateu lá atrás, eu pensei em te procurar. Imaginei uma reaproximação lenta. Que talvez a gente nunca voltasse a ser como antes. Acima de tudo pensei que, se o orgulho deixasse, voltar a ser sua amiga seria bom demais. Quase um prêmio.

Mas a vida segue e hoje, depois de me acabar de chorar, eu voltei a ver com claridade. Já ganhei na loteria enquanto você não estava por perto.

Sei que há uma história pra contar

"Meus sonhos estão se tornando realidade. Sonhos que eu nem sabia que eu tinha. Mas o meu irmão não está aqui. Ele está perdendo tudo".

Faz algumas semanas que estou ensaiando um texto. Tudo começou quando uma colega de trabalho recebeu por telefone a notícia de que seu pai havia falecido.

Eu convivia há quase seis meses com ela, mas nem por isso era sua amiga. Nos tratávamos bem, trocando algumas palavras durante o longo almoço de 15 minutos que uma vez ou outra fazíamos uma ao lado da outra. Nada demais. Nenhuma grande afinidade.

Foi só quando a vi repetir sem parar, "o que vamos fazer agora?" que senti que tínhamos algo em comum. Foi como viver tudo de novo. A vida indo embora. O choque. O mundo que parou de fazer sentido. Naquele dia eu perdi meu pai mais uma vez.

O tempo passou e o texto foi esquecido...

No ano passado um irmão do meu pai faleceu. Uma das filhas dele, a minha prima, ficou o tempo todo dizendo que eu era a unica que sabia pelo o que ela estava passando. O facebook do meu tio continua ativo, um monte de desavisados deram parabéns pra ele no seu aniversário e vira e mexe algum parente posta mensagem de saudades lá.

Ontem brotou na minha timeline um post da minha prima no qual meu tio havia comentado. Até eu assimilar que era algo antigo, quase tive um treco achando que a internet chegou ao céu. Depois que a ficha caiu, ficou em mim um sentimento vergonhoso de quem queria uma declaração como essa pra guardar pra sempre: " ser pai não é fácil, foi você que começou a me ensinar...a gente tem que aprender a ser pai enquanto continua aprendendo a ser gente. Além do orgulho de ser teu pai, agradeço o privilégio de poder conviver com você. Obrigado!!!"

Essa história do meu tio me lembrou a história da menina do trabalho e eu fiquei com isso na cabeça. A gota d'água foi assistir Grey's Anatomy.

A citação do começo do texto foi retirada de um episódio que gira basicamente em torno de um casamento.

Eu nunca fui aquela menininha que ficava sonhando acordada com o dia do casamento. Nunca fantasiei sobre vestido, decoração, presentes e preocupações. Até um tempo atrás eu acreditava que a minha alma gêmea tinha nascido morta, então não tinha porque pensar em algo que parecia impossível de acontecer. 

Meu pai morreu. Eu encontrei o amor. Passei então a sofrer com cada cena de filme, livro ou seriado que envolvesse véu e grinalda. Eu que nunca pensei em subir em um altar, comecei a chorar com a ideia de uma caminhada solitária sem ninguém para entregar a minha mão ao noivo, na tristeza de não ter a clássica dança entre pai e filha.

Daí lamento o dia que escolhi ir a Disney ao invés de jogar dinheiro fora numa festa que alguém sairia reclamando, mas pelo menos eu teria dançado a valsa com o meu pai. E me lembro de algum dos muitos aniversários de 15 anos que fui, quando meio sem jeito ele me tirou pra dançar e disse que era bom a gente começar a treinar.

E eu choro por um sonho que eu nunca soube que era meu porque é do tipo que precisa de dois para ser sonhado. Eu imagino o noivo chorando, pensando que nunca viu nada tão lindo na vida, e a noiva chorando por aquele ser o dia mais feliz da vida dela e por duas pessoas estarem perdendo tudo aquilo.

Não era pra ser assim.

Pelos velhos tempos

Tudo bem.
Tradição é tradição.

Se eu cresci mimada e mal acostumada, tenho certeza de que fiz o mesmo com você. Fui eu que inventei essa história de escrever uma carta virtual para alguém que era alérgica a tecnologia em vida, imagina só em morte. E como inventora de tal coisa, devo dar sequência a tradição. Não é como se eu tivesse alguma resposta ou sinal, mas já faz alguns dias que me sinto em divida com você.

Feliz aniversário, pequena.

Ainda ontem me perguntaram sobre ti. Em resposta a minha resposta, só souberam dizer o quanto você era uma senhora gente boa - como se precisassem me lembrar disso.

Tem uma coisa que parece boba quando dita em voz alta, mas que já passou pela minha cabeça algumas vezes. Eu não sinto mais saudade do pai do que de você ou vice versa. Só queria deixar isso bem claro porque essa ideia é algo que realmente me preocupa. Desculpa se em algum momento pareceu que eu esqueci da senhora. Tenho a sensação de você merece ainda mais. Mais choros, mais textos, mais saudade, mais longas conversas a seu respeito. Mais vida.

E mesmo depois de tanto tempo, posso te garantir que você sempre vem em minha mente quando eu dou uma gargalhada de verdade, daquelas que vêm do meio da barriga, ou um sorriso verdadeiro. É a tua falta que me tira o ar e traz seriedade ao meu rosto durante uns segundos antes de eu me soltar de vez. É difícil sentir qualquer coisa completamente quando falta um pedaço da gente.

Não sei de onde tirei essa mania de ficar me torturando, mas ainda me pego imaginando como tudo seria se tudo ainda fosse como era antigamente. A tua lembrança me oferece o aconchego do colo de vó e a confiança para continuar em frente que eu preciso vez ou outra.

Acho que eu perdi o foco da mensagem.
De qualquer forma, meus parabéns.
Te amo (desde que me lembro por gente e até o fim dos meus dias)

Eu também tenho tanto medo

Você sabe que eu te amo, não?
É sério, pode guardar a carteira.

O que eu quero?
Pra começar eu queria que o meu infinito não fosse tão maior que o seu e que o nosso conjunto limitado tivesse mais números do que tivemos e que ela voltasse a sorrir e ele começasse a falar e dinheiro não fosse problema e trabalhar fazendo aquilo que eu amo e o pequeno tivesse lembranças ao teu lado e se dependesse de mim essa lista não acabaria nunca mais.
Eu sempre quero o que não posso ter e acabo desprezando aquilo que já tenho, então hoje eu não quero te pedir nada. De perto ou de longe, sei que você já fez muito por mim. Talvez até mais do que eu suponho.

Muito obrigada e desculpa. Não consigo abandonar o hábito de te chamar quando as coisas ficam feias ou muito bonitas ou antes de dormir ou se eu preciso respirar.

Já te agradeci? Mesmo distante você não perdeu os seus super-poderes e até hoje não falhou, sempre veio ao meu resgate. 


Eu penso em você o tempo todo, mas essa semana a sua memória me assombrou mais do que o normal. Você perdoa a gente por seguir em frente?

Porque esse negócio de tocar a vida é algo assustador por si só, mas a ideia de deixar você para trás é pior do que assistir filme de terror baseado em fatos reais.

Você tava certo. Todo mundo deveria ter um lugar no mundo onde se sente seguro, eu sei. Isso significa que vender o teu cantinho foi como te enterrar mais uma vez. A sensação era de colocar um ponto final nos teus sonhos. Como se o fato de o sítio não ser mais nosso fosse o único empecilho te impedindo de envelhecer lá, não o detalhe de você estar morto. 

E o que você acha da mudança? Acredita que daremos conta?
Eu fico imaginando um lugar livre de lembranças, pelo menos pra mim. Sem entender direito se isso é bom ou ruim e tentando digerir a ideia de que tudo isso é muito mais bom do que ruim, ainda que não pareça (a frase ficou péssima mas você entendeu, no final você sempre me entendia).

Sei lá, eu só não queria dizer mais um adeus.Você sabe que eu te amo, não?
É sério, pode guardar a carteira. 

Manda um beijo pra Dona Valdice.
E mais uma vez, obrigada por tudo. Não chegaria tão longe sem vocês olhando por mim, por nós.

Surpresa boa

Eu apenas queria que você soubesse


Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo
E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também

E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé

Eu apenas queira que você soubesse
Que essa criança brinca nesta roda
E não teme o corte de novas feridas
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida


[Gonzaguinha]

Menino lindo

Eu chego em casa com o corpo cansado e a sensação de dever cumprido. Não, nenhum milagre aconteceu. Mas descobri que eu faço qualquer coisa por você, até o que o meu saldo bancário não deixa.

Quando você vê as lembrancinhas, logo me pergunta, "é pra mim?". Nope. Seus presente são bem maiores, mais brilhantes e barulhentos. Uma tentativa falha de provar pra mim que o natal ainda pode ser algo bom, por você e ninguém mais.

Então eu perco o sono porque as músicas acabaram e porque já faz alguns dias que não durmo direito se o celular não toca. Eu penso em você. Em tudo que você perdeu e no fato de que você não entende a dimensão das coisas e em como a ignorância é uma verdadeira benção. 

Dói ouvir você chamando o pai de Tio Renato, mas isso nem chega perto da dor de você conhecê-lo apenas por foto. Me incomoda o seu natal sem a mesa lotada, a árvore cheia, a Vódice. Eu perco o sono pensando em coisas que nem tão cedo passarão pela sua cabeça e me consolo justamente no fato de você ainda ter muitos e muitos dias pela frente dormindo em paz.

É estranho sentir o amor como algo tão maior que a gente. Às vezes eu me confundo, não sei mais dizer o que é saudade e qual é o nome do resto do que eu levo no peito. Daí basta olhar pra ti, isso é tudo que eu preciso para  me lembrar que os dias nunca são tão ruins quando existe você ao meu lado. Quando a nostalgia tenta me pegar pelas mãos, estou ocupada demais te levando nos braços para me deixar levar. 

Eu te amo tanto que me coloco de lado para te fazer acreditar. 

O sono que adia

Tudo bem. Eu te entendo. Esse desespero é normal. Ok. Você pode chorar durante 10 minutos e amaldiçoar os mortos e ficar de mal com Ele e se fazer de vítima. 

Passou? Não? 
Sem problemas. 

Respira fundo. Fecha os olhos. Tenta pensar em coisas felizes: livros novos, seriados, reencontros, longas conversas, ele. Talvez você precise de tempo para digerir as mudanças que estão por vir. Ou melhor, na verdade você precisa aceitar a ideia de que mais algumas mudanças serão necessárias e que isso não é obrigatoriamente ruim.

Pensa bem, mulher. Logo você que não suporta o drama alheio de quem prefere reclamar das injustiças do mundo ao invés de mexer o traseiro para colocar as coisas de volta no lugar, tem certeza que vai perder tempo chorando de medo de não dar conta de recado? 

Não acredito. Tantas possibilidades te sorrindo e você fazendo bico feito criança mimada. Quando foi que a vida te ofereceu o estrada de asfalto novo feito tapete ao invés daquelas de terra toda esburacada? Ainda consegue se lembrar? Acho que já faz algum tempo, não? Então porque a surpresa? 

Relaxa. Não se leva tão a sério. Dá um sorrisinho, seja ele sincero ou daqueles irônicos. Mostra para o roteirista da sua vida que você é mais forte do que ele supõe, mais destemida do que todos acreditam. Prova pra esse idiota que o medo é aquele colega chato que se considera um bom amigo, ele aparece nas horas mais inoportunas e nunca sabe quando ir embora. Só por isso ele ainda procura abrigo no teu peito.

Tá mais calminha? Você não sabe por onde começar? Não queria tanta responsabilidade? Odeia fazer escolhas pelos outros?

Moça, dorme. Deixa isso pra lá. Você tem um amanhã novinho em folha para decidir tudo isso. Até as caraminholas da sua cabeça precisam de uma boa noite de descanso. 

Que o seu eu do futuro seja mais sábio e decidido. 

Se tudo der errado? Vish, não será nem a primeira nem a última vez.
Com certeza a vida há de seguir.

So long.

Olha, eu não tenho mais idade para diluir minha personalidade com objetivo de ser aceita. Não posso esconder minhas vontades ou disfarçar meu vícios para que você me veja com bons olhos. 

Eu não era assim quando nos conhecemos, mas tampouco era você. Sabe como é, bem daquele jeito que é dito no filme, a vida aconteceu. O tempo te deixou mais careta enquanto eu decidi me deixar ser tirada pra dançar e beber e cantar e aproveitar.

Nós costumávamos ser parecidas, até que uma escolheu a pílula vermelha e a outra a azul. De repente eu desenvolvi o hábito de pensar sozinha e expressar esses tais pensamentos. Quanta ousadia da minha parte!

Em outros tempos eu perderia mais tempo tentando salvar algo que não merece o esforço de ser reparado. Não ache que estou apagando a nossa história. É só que apesar de sentir a sua falta, acredito que sentiria ainda mais saudade de mim.


Você me avisou que não sabia manter amigos. Como sempre, estava certa. 

Porque a gente é assim?

Quando eu descobri que gostar de livros e seriados não tornaria a minha vida amorosa mais fácil e era estranha demais para ser a mais desejada e que estar acima do peso não faria os caras caírem aos meus pés, decidi que seria engraçada. A gente gosta de quem nos faz rir. Talvez tenha sido aí que tudo começou, que dei início ao processo de me tornar do jeito que sou atualmente. 

Só que é difícil se achar esquisita e gorda e feia e disfarçar tudo isso apenas com piadas, então a gente se cerca de artifícios para mudar o foco de atenção. Foi assim que a ironia, o sarcasmo e o cinismo entraram na equação. Misture inseguranças e disfarces com sacadas rápidas e supostamente inteligentes que tcharam: você tem uma Arielle. 

Não adianta. Pode me chamar de gostosa, linda e mimimi (não que isso aconteça com frequência), nada disso muda a forma que eu me enxergo. Cada um vê no espelho apenas aquilo que deseja. Isso significa duas coisas, há quem seja desprovido de beleza e se enxergue como gêmea da Gisele Bündchen e existe também aqueles que não conseguem ver nada além um demônio no próprio reflexo. Talvez o difícil mesmo seja encontrar alguém que se considere um meio termo, nem tão perto do céu ou do inferno, ou se perceba com uma imagem próxima da realidade.

É por essas e outras que tenho dificuldade em acreditar em você, ainda que não duvide da sua sinceridade. Você me chama de linda quando estou com roupa de ficar em casa ou descabelada e toda suada ou sem maquiagem. Seus elogios me pegam de surpresa quando estou despida de qualquer camuflagem. De repente gosto de como eu me vejo pelos seus olhos - uma Arielle nova, toda sua. 

Isso também me dá medo, por mais que você me enxergue melhor do que qualquer outra pessoa, descobrindo detalhes sobre mim que eu mesma desconheço. Às vezes tenho a impressão de que sua percepção pode  ser distorcida e ligeiramente aumentada, que um dia você vai acordar e se decepcionar com a realidade. Nem tão inteligente, nem tão bonita. Muito longe de ser grande coisa...

E eu sei que não tem nada a ver com esse assunto, mas não entendo porque a gente insiste em dizer que gosta quando quer falar muito mais. Economizar palavras não mudam os nossos atos que nos entregam sem o mínimo de pudor. 

Só pode ser amor se a gente saudade quando fica apenas um dia sem se ver. Não pode ter outro nome aquilo que a gente sente se temos coragem de entregar o coração de bandeja e dizer "faz o que você quiser com ele". Deve ser isso mesmo se o futuro, apesar de incerto, começa a ser planejado a dois, nem que seja de brincadeira. 

E por mais que falar assim pareça mera formalidade, eu te amo.

(não é todo dia que encontramos alguém para ser amigo, família, amante e companheiro)

Até quando?

Pior do que acordar assustada no meio da noite, é despertar de um sonho horrível por causa de um choro sentido. Surpresa maior foi descobrir que a origem do som era ela mesma.

O dia da moça foi corrido, mas acabou bem. Nada que justificasse reviver aquela cena. Dessa vez, nenhum menino sobrevivente estava ao lado dela para oferecer consolo. Chorando garota acordou e foi assim que voltou a dormir, pensando nele.

Não era assim que a garota gostava de lembrar dele, sem vida.

Parabéns pra você

Oi.Como estão as coisas por aí?
Já faz algum tempo que não te escrevo. Não é como se eu não pensasse em você, é só que tenho a impressão de que ninguém entenderia.
Hoje eu falei a seu respeito na praia, de como você arruinou todas as chances de um casamento perfeito. Quando esse dia chegar, entrarei na igreja sozinha e chorando. Ouvindo a tua voz em tom de risada dizer que finalmente você se livrou de mim. Eu vou chorar pra cacete, de felicidade, é lógico, e por você não estar ali, em carne, osso e piadas de mal gosto, falando que existe idiota pra tudo nesse mundo, até pra ficar comigo. 
Pois é, são 46 anos! Olhando para as suas fotos, que estão ligeiramente desatualizadas, nem parece. Esse emaranhado castanho claro que você chamava de cabelo não tinha os fios brancos que a idade impõe, por outro lado, a sua barba, permanentemente por fazer, tava pra lá de esbranquiçada. Acho que a sua alma jovem entrava em conflito com o seu corpo de homem adulto, atrasando aos poucos o processo de envelhecimento. Tanto bom humor interferia na sua imagem, tornando impossível te ver como nada além de um garotão. É assim que sempre me lembrarei de ti.
Não sei como funciona esse negócio de além, mas se você pode ver a gente daí, deve estar preocupado com o rumo que as coisas tomaram. Te garanto que estamos todos tentando fazer o melhor, ligeiramente perdidos, cada um do seu jeito e assombrados pela falta que você faz. 
Falando em falta, o Lex está aprendendo aos poucos sobre você. Será impossível explicar para ele que o pai dele foi um cara de batalhou até o último segundo, alguém que nunca se deixou abater, sempre foi justo e dono de um senso de humor sem igual. Nem que eu divida uma vida inteira de memórias com ele chegarei próximo de mostrar o quanto o nosso pai foi um ser humano fora do comum. 
Eu só queria te dizer que não me esqueci daquele ano que não me lembrei do seu aniversário. Ironicamente, desde quando você se foi, nunca mais consegui deixar essa data passar em branco. Não tenho mais o que comemorar, é verdade, mas esse continua sendo o seu dia. 
Obrigada por tudo, ainda que pareça pouco agora. Você me ensinou a sonhar alto, sempre honrar promessas e lutar de volta quando a vida resolve botar a gente na lona. Foi contigo que descobri a necessidade de sorrir apesar das rasteiras, fazendo graça das reviravoltas que deixam a gente sem chão. Desde cedo aprendi que nem sempre a justiça é feita, mas que nem por isso devemos trair nossos princípios e valores. E mesmo você achando que de tanto você trabalhar, os filhos nasceram cansados, nunca me esquecerei que um futuro brilhante é a gente que constrói, com muito suor e sacrifício, e esse tipo de coisa só vale a pena quando temos a nossa família por perto.
Que você se reúna com os melhores, beba umas brejas, coma a vontade e dê muitas risadas (supondo que vocês fazem isso por aí, seja lá onde for).

Eu te amo. 
Parabéns,
da sua Chatielle

Meu lugar

Eu te digo que só escrevo sobre coisas tristes e você responde que vai me ajudar, desde que, em troca, eu lute contigo a batalha contra as suas inseguranças. Tudo bem, a gente faz essa troca: um ajuda o outro a carregar a própria bagagem. Desse jeito, por maior que seja a caminhada, os passos serão mais leves, a jornada mais divertida e tudo menos cansativo. 

Você descobre o meu blog e não entende porque não existe nele. O que eu não consigo te explicar é que escrevo sobre aquilo que não posso falar e, apesar de tudo, você não é segredo. Moram aqui as palavras que morreriam dentro de mim. E como eu li uma vez, escrever não mantem vivo, enterra. Eu preciso de você por perto, próximo da superfície.

Faz mais de um mês que não economizo frases ou sentimentos, é tudo seu. Não sobra nada para se alojar aqui. Quando eu vejo, já foi tudo dito. Aquilo que não conto para você é sobre você e de repente eu entendo o significado de "até quem me vê lendo jornal, na fila do pão, sabe que eu te encontrei". Dá vontade de esfregar na cara da sociedade que encontrei alguém que me faz bem... Que pela primeira vez em meses (?) estou feliz. O problema é que estou tão ocupada curtindo o momento que tenho preguiça de desperdiçar tempo com isso.

Já te contei que eu gosto de como você sorri, mas tem sempre os olhos tristes? Por acaso, já te disse que acho uma graça quando você tem tanto pra dizer que não consegue formular uma frase? É divertido ver você montar um quebra cabeça com palavras que deveriam fazer sentido, porém não se encaixam e, mesmo assim, a gente sempre se entender. Gosto quando você coça a barbar e refaz seu cachinhos. E não existia tortura pior do que andar ao teu lado e não poder segurar a tua mão. Adoro como a sua mão é grande e como você é um homem, mas nem por isso deixou de ser criança. Você é o cara que resgatou um sapo.

Minha vida inteira me escondi nas músicas repetidas que sempre ouço para não ter que me sentir só. Por isso, sempre pedi que o universo colocasse alguém no meu caminho que entendesse a importância dessas canções. Eu poderia ficar horas deitada na sua cama, ouvindo você tocar para mim. Ainda que você não acredite, eu gosto da sua voz e do jeito que você canta (me encantando cada vez mais) e como você ri quando faz alguma coisa errada.

E não espalha, mas tive que refazer o meu Top Five Melhores Abraços do Mundo. Não tenho palavras para descrever o quanto eu adoro quando você me aperta, beija a minha testa e faz com que eu me sinta pequena. Dentro dos teus braços eu sinto que posso relaxar, respirar fundo e parar de bancar a adulta, com a certeza meio incerta (é difícil abandonar velhos hábitos) de que achei alguém pra cuidar de mim.

Gosto de lutar Jiu-jitsu com você e de te fazer ronronar e quando você me arranha fazendo sonoplastia e como a gente se diverte com tudo que dá errado e que ao seu lado tenho a impressão de que nada pode nos parar. 

Eu gosto de você e, se você deixar, acredito que isso pode virar amor.
Também sei que você merece muito mais do que esse texto aqui, que estamos apenas no começo e um dia a gente chega lá.

Bilhete

Eu só queria te dizer que não me esqueci e lembrá-la que ainda dói demais. Desde o seu dia eu tento juntar algumas palavras para você, mas não consigo. Sobra cada vez mais falta.

Queria que você soubesse que o amor que eu tenho por você é todo seu. E quando as coisas dão muito certo ou totalmente erradas, a senhora ainda é uma das primeiras pessoas em que penso. 


Não tenho ideia do que vocês fazem por aí, mas se você tiver tempo de olhar aqui pra baixo em algum momento, espero que goste do que vê. 

Ah, valeu pelas visitas. Adoro acordar com mais saudade do que quando fui dormir, mas com o peito aliviado de ter te apertado mais uma vez. Suas visitas vêm sempre em boa hora.

Parabéns atrasado.
Obrigada por tudo.
Te amo.

Vocês por aqui?

Todos se reúnem em volta da televisão. O plano é deixar aquele pequeno objeto redondo levá-los de volta no tempo, para o ano de 1996. 

Os rostos são refletidos na tela, com mais sorrisos e olhos menos cansados. São 16 anos a menos e a impressão de que aquela era uma outra vida, de desconhecidos. 

Desde o começo eu sabia o que estava por vir, quem estava por vir. Era com inveja que todos prestavam atenção naquelas imagens. "Tadinhos, nem imaginam o que acontecerá".

A menina dançando sem preocupações. Os longos cabelos balançando enquanto ela pula de um lado para o outro. Do lado de cá, a mulher que ela se tornou tem vontade de trocar de lugar com ela.

Mulher? De repente todos começaram a me chamar assim. Mal sabem eles que eu tenho resposta para tudo apenas para distrair as pessoas. Já que quem não se aproxima não tem chance de descobrir que esse peito estufado ainda esconde a menina que dança. Da mesma forma que aqueles que nunca perderam alguém não têm ideia do que eu esta falando.

O luto é um companheiro para a vida toda. Ele se afasta e espera. Paciente, se faz presente quando a pessoa está muito bem ou precisando de somente uma desculpa para ficar mal. De qualquer forma, está sempre por perto. Aguardando o momento certo para voltar e assombrar e mostrar aquilo que não poderá ser refeito ou feito pela primeira vez. Explorando o fato de que alguns infinitos são maiores do que outros. 

Os abençoados que não entendem a importância de quem vive apenas na memoria, desconhecem o misto de reações que o corpo tem ao ouvir a voz daqueles que não podem mais serem ouvidos. 

Especialista na arte de engolir o choro, segurei as lágrimas como se a minha vida dependesse disso. Tentei viver o momento mais uma vez, ainda que não reconhecesse o cara magrelo, cabeludo e de bigode ou a senhora gordinha e de cabelos negros. Mas sem dúvidas eram eles.

É estranho pensar que eu comemorarei mais um aniversário e acumularei conquistas e derrotas e viverei amores e eles não. A história deles acabou, sem direito a to be continued.

E quando digo que estou cansada de brincar de ser gente grande, não quero ouvir que preciso ser forte pelos outros. Só queria a mentira sincera de que vai ficar tudo bem.

Nada vai mudar entre nós...

domingo, 24 de junho de 2012 21:48 Postado por Arielle Gonzalez 0 comentários
Tem coisa mais clichê do que dizer que "o coração quer o que o coração quer"? Eu sei, eu sei. Já usei isso em algum texto por aqui e não há defesa para isso. Mas o mundo anda de cabeça para baixo, o impossível acontece, as pessoas se revelam, o certo tá todo errado e o errado parece cada vez mais atraente. 

Confuso, não? Sinto como se cada parte tivesse vida própria. É o coração que fechou para eterno balanço e cortou relações com o cérebro. Outro que anda meio surtado, depois de tantas séries tá se achando o House. Desvendando as pessoas e enxergando apenas o pior. Estou cada vez mais cínica.  

Mas entre mortos e feridos, ando sem motivos pra reclamar. Não que isso me impeça de continuar apontando minha insatisfação com alguns aspectos da minha vida, já que esse é o tipo de coisa que faço por hábito e, ultimamente, com um sorrisinho nos lábios.

Acho que a prendi a rezar ou a pedir com fé ou a implorar por atenção de alguma força maior que anda com pena de mim. De um jeito meio torto, os desejos que lancei sem pretensão no universo estão acontecendo, ainda que em um tempo nada adequado.

Mudei de emprego, matei vontades, desapeguei das dúvidas. Ouso dizer que não tô com medo, mas logo volto atrás com essa história de ser destemida.

É reconfortante deixar de matar o tempo para viver e de repente perceber que a vida deixou de acontecer sem você. 

Que você e a sua solidão sejam felizes

Eu tentei, mas não consegui.
Só volto aqui quando parar de doer.